Teologia e Religiões Afro-Brasileiras.

Heitor Frisotti

No Brasil, não são muitos os teólogos que têm refletido especificamente o tema das outras religiões e em particular, das religiões afro-brasileiras.

Após o Vaticano II, em 1968, frei Boaventura Kloppenburg escrevia um artigo na Revista Eclesiástica Brasileira (REB) que marcou as novas atitudes e preocupações dos católicos.

Ensaio de uma nova posição pastoral perante a Umbanda. Artigo tanto mais importante, quanto mais se lembra a atuação do autor no Secretariado Nacional de Defesa da Fé e da Moral, criado pela CNBB, em agosto de 1953, e na Campanha contra o Espiritismo.

Graças a Dom Boaventura passava-se assim a falar, no Brasil também, em sementes do Verbo de Deus espalhadas nas outras religiões, inclusive na Umbanda, na necessidade de "respeitar, fomentar, elevar e consumar em Cristo tudo o que na Umbanda descobrimos de bom, verdadeiro, belo, justo, santo e amável", e até na elaboração de um rito litúrgico próprio para o negro.

Alguns regionais da CNBB começaram a estudar o tema com a ajuda de antropólogos é o caso do Regional Leste 1 que publicou em 1972 um resumo dos trabalhos e outras reflexões em Macumba, cultos afro-brasileiras.

Ainda nestes anos, porém, o Pe. Francisco Sparta, tratava do tema em A dança dos Orixás, usando expressões como primitivismo, regressão cultural, superstições, folclore, sacrifícios anacrônicos, e falando na possibilidade de a religião cristã salvar os cultos afro-brasileiras como salvou a cultura greco-romana.

Uma verdadeira fidelidade ao novo enfoque da teologia católica do Vaticano II a encontramos em frei Raimundo Cintra, na sua tese de doutorado de 1978, Candomblé e Umbanda.

Talvez pela primeira vez no Brasil, um teólogo católico deixou de lado posições preconceituosas e apoiando-se nos estudos históricos e antropológicos, traçou novas linhas de interpretação e de atuação pastoral. Particularmente significativo é o espaço dado pelo autor à nova teologia católica sobre o diálogo com as outras religiões e aos documentos do Magistério e do Secretariado para os Não-Cristãos.

Na análise dos problemas pastorais, Cintra distingue entre as várias expressões religiosas e propõe atitudes diferentes para com o Candomblé, a Umbanda e o sincretismo. Reconhece também, como valor muito apreciável, a estrutura comunitária e familiar dos candomblés, a atenção e a solidariedade para com os fiéis e amigos. "Foram também sinais distintivos do cristianismo primitivo e podem ser apresentados como modelos para certas comunidades cristãs - conclui. A maneira informal e paterna dispensada pelos pais e mães-de-santo a seus filhos constituem, sem dúvida, uma lição para os dirigentes de nossas igrejas".

Outros dois estudos mais específicos aparecem nos anos '80. Umbanda, de Valdeli Carvalho da Costa, Candomblé e salvação, de Franziska Carolina Rehbein. [...].

Entre os vários teólogos e agentes de pastoral que têm escrito sobre religiões afro-brasileiras de maneira mais ou menos abrangente, queremos trazer alguns dos posicionamentos mais significativos, os do Pe. François de l'Espinay, Dom José Maria Pires e Pe. Antônio A. da Silva.

A experiência ecumênica e mística do Pe. François de l'Espinay merece uma menção especial. Após dedicar vários anos ao acompanhamento dos padres franceses na América Latina como delegado da Comissão Episcopal Francesa para a América Latina (CEFAL) e fundar com Ivan Illich o centro intercultural de Cuernavaca (México), se estabeleceu em Salvador, em 1974, para dedicar-se ao trabalho com afro-brasileiras.

Aos poucos, graças a Pierre Verger, conheceu algum terreiro de Candomblé e, após três ou quatro anos, foi escolhido como mogbá, membro do conselho de Xangô, no Ilê Axé Opô Aganju. Aprofundava-se assim um caminho de solidariedade material e espiritual com os fiéis de terreiro e uma vivência singular, um padre aceitava ser iniciado num terreiro, não para pesquisar e ir embora, mas para partilhar a fé.

François escreveu pouco. Parecia não confiar muito nisso e não se considerava teólogo. Mas não deixava de conversar e provocar os teólogos e quem o encontrasse com sua vivência de fé. Já com o câncer em estado muito avançado e quase impossibilitado de falar, em junho de 1985, foi até Petrópolis para participar, mais uma vez, de um encontro com os teólogos da libertação e transmitir seu testemunho. Entre outras coisas, confessava: "O dia em que o pai-de-santo me pediu para ser do conselho, sabia que devia passar por uma iniciação. Foi um problema e tanto. Não sabia o que era. Será que era contra o cristianismo? Eu não renego nem o cristianismo nem o sacerdócio. Aí percebi que não havia nada contra o cristianismo. (...) Em nosso candomblé eu prometi fidelidade a Xangô. Isso não afasta ninguém da fidelidade a Cristo".

Para ele, era necessário respeitar a liberdade e doação de Deus que fala a todos de maneiras diferentes, aos europeus e também aos africanos. "Por que Deus exigiria um contato através de um tradutor e não diretamente com a sua palavra? Ele se revela como Pai. Mas um pai não fala a língua de seus filhos? (...) Deus me parece então bem maior, e mais vivo. Ele não se encerra numa fórmula rígida, não é prisioneiro de suas opções. Não faz discriminação entre seus filhos. Ninguém pode dizer: 'É a mim que se revelou e somente a mim'".

Afinal, tinha escrito anos atrás, "bastaria sair de nossos limites fundados no exclusivismo, na certeza de possuir a única verdade, e admitir que Deus não se contradiz, que ele fala sob formas mui diferentes que se complementam uma à outra, e que cada religião possui um depósito sagrado, a Palavra que Deus lhe disse. Eis toda a riqueza do ecumenismo que não deve restringir-se ao diálogo entre cristãos".

Num depoimento ditado ao Pe. Jacques Duquesne, em junho de 1985, François comentava:

 "O Jesus Cristo histórico é ainda muito branco para os negros. Desde milênios, Deus lhes fala de outra maneira, em seus corpos e na natureza, pelos espíritos de seus ancestrais. Como nós, a Igreja, pudemos varrer tudo isso por 400 anos com a boa consciência de deter a verdade? (...) Mas, em minha alma e consciência, tenho hoje a certeza de que Deus é maior do que se imagina. Ele utiliza, para revelar-se ao seu povo, outras mediações diferentes das que conhecemos".

Do amigo e mestre François guardo, como uma herança espiritual, uma de suas últimas frases que encerrava a riqueza de sua vivência de fé, "foi importante para a minha fé o encontro com o desconhecido, um encontro de fé que se passa de pessoa a pessoa".

Fé que assim tinha descrito anteriormente: "Uma fé em Deus, um só Deus. Olorum, senhor do além, fonte de vida. (...) A Natureza é obra sua e pôs nela sua força vital, dinâmica de um desenvolvimento constante. O 'axé' de Deus, a força de Deus, está em toda a criação porque a criação emana dele, a água, o sangue, as folhas, as árvores, os mares, o vento, a chuva, a lama. O corte entre a natureza e Deus, entre o céu e a terra, não é que exterior. (...) Tudo converge para Deus, é claro. Assim, a morte não é que um momento, aquele da saída para uma grande viagem que conduz a Deus, fim último. A morte não separa do resto dos viventes".

Outro testemunho vem de Dom José Maria Pires, um dos poucos bispos negros no Brasil, que pode ser visto como um símbolo que representa muitos outros negros brasileiros que começaram um processo de releitura da própria fé cristã e das religiões afro-brasileiras. "Há até um bispo - dizia aos delegados das CEBs reunidos em Santa Maria, RS - que conserva em seu escritório a estátua do Preto Velho, lembrando seus antepassados, que estão vivos como Abraão, Isaac e Jacó, porque Deus não é Deus dos mortos, é Deus dos vivos. (...) O Preto Velho que nós olhamos com muito respeito e que conservamos com muito carinho é este símbolo de nossa fé na imortalidade - é essa consciência de que os nossos antepassados estão vivos, presentes e nos protegem".

Dom Pires retomava assim um tema a ele caro é desenvolvido outras vezes: "No candomblé podemos ver vários contatos com o cristianismo e as 'sementes do Verbo'. Acaso não são 'preparações ao Evangelho' a solidariedade, a condivisão e o encontro fraterno que o ritual deste culto supõe e exige? Acaso não é possível encontrar verdadeiras 'sementes do Verbo' no culto aos antepassados, simbolizado no Preto Velho, imagem que se encontra em quase todas as casas de negros?".

Várias vezes lembrou da repressão sofrida pelas religiões afro-brasileiras: "Quando era criança, éramos proibidos de assistir aos batuques porque era pecado. Até 1966, quando fui transferido como bispo para a região da Paraíba, os cultos afro-brasileiras eram proibidos por lei. O então capelão da polícia se gloriava de suas numerosas empreitadas noturnas, ao comando de grupos de soldados, para por fim a um terreiro de Xangô que funcionava clandestinamente".

Mais uma vez, no 8° Intereclesial de CEBs de Santa Maria, Dom Zumbi, como também é chamado, teve que falar à plenária para explicar, pacientemente, o porque de tantos preconceitos em relação às religiões afro-brasileiras e interceder por atitudes mais ecumênicas: “Há trinta anos atrás não se podia falar em religião, em culto africano. (...)”.

Houve um passo também bastante grande por parte da Igreja porque, antes, tudo o que dizia respeito à religião afro-brasileira era considerado superstição e só depois da Conferência de Puebla se começou a abrir mais e a ver que era necessário mesmo escutar e iniciar um diálogo religioso.

Outra voz significativa é a do Pe. Antônio Aparecido da Silva, que desde a fundação acompanha o grupo dos Agentes de Pastoral Negros. Mesmo sem escrever especificamente à respeito, suas reflexões são um ponto de referência importante para muitos.

Na contribuição para o V Curso de Verão de 1991 percebe-se seu corte teológico, próprio também da comunidade negra, na abordagem ao tema, assumir as raízes que estão na África e aqui, nas tradições religiosas e culturais negras negadas pelos dominadores, como próprias. E afirma: "A religião foi, certamente, uma das práticas mais combatidas nos povos trazidos da África. (...) Do púlpito à coorte, as práticas religiosas de origem africana foram estigmatizadas e satanizadas, sofrendo, inclusive, a repressão policial. Graças unicamente à proteção divina e à resistência negra, permanecem, hoje, mais florescentes que ontem".

Mesmo com o clima mais favorável para o ecumenismo e o diálogo religioso que se criou após o Concílio Vaticano II - continua - ainda são fortes os preconceitos e a distância de católicos e protestantes em relação à religiosidade de origem africana. Por isso, o primeiro desafio é a eliminação, por parte dos agentes de pastoral hierarquizados ou não, da ignorância e do preconceito rasteiro. E denuncia a discriminação religiosa que chega a assumir traços de hipocrisia: "Há sacerdotes que com imponência, negam a 'Comunhão' a uma pobre Mãe de Santo que dedica a sua vida reunindo nos 'terreiros' os pobres mais pobres para que se sintam gente e filhos de Deus. Entretanto, estes mesmos padres não negam a 'Comunhão' e as restrições não são feitas aos fazendeiros assassinos, aos políticos corruptos e aos governantes que vivem maritalmente em situação irregular. O diálogo religioso e, mais do que isso, o espírito e a prática da ecumenicidade devem ser também um comportamento em relação às chamadas religiões afro".

Para o Pe. Toninho, como é conhecido entre os APNs, olha-se para o terreiro para resgatar as raízes culturais negras, mas também para reconhecer a ação do mesmo Deus da Vida que protege e liberta seu povo. É um Deus conhecido, familiar, próximo. "O terreiro é a Igreja do pobre mais pobre, ampliando o conceito de Igreja e tomando-o como o lugar onde os homens e as mulheres de boa vontade se reúnem a partir da fé. Não em qualquer fé, mas a fé no Deus da Vida. E o Deus do Candomblé é o Deus da Vida, é o Deus do axé. É o Deus que dá vida, portanto é o Deus cristão". Por isso o terreiro é fonte de ensino também: "O primeiro elemento em que o terreiro ajuda as CEBs a serem CEBs é que o terreiro é o lugar onde se reúnem os homens e as mulheres os mais pobres. (...) O terreiro nos ajuda a firmar a nossa identidade de Igreja de pobres comprometidos com os pobres".

Recebemos assim destes autores mais do que uma descrição de ritos e mitos. Eles nos ajudam a percorrer o caminho certo de aproximação, dentro do respeito da alteridade cultural e religiosa, na necessária contextualização histórica e social de dominação e discriminação, à procura das manifestações do Deus da vida nas comunidades oprimidas, num espírito de acolhida e de fé.


Heitor Frisotti é Teólogo e Padre
Colombiano.

Este artigo é parte da dissertação de mestrado em teologia intitulada um olhar diferente.

Mudança de práticas e de compreensão da Igreja católica diante das religiões afro-brasileiras.

(Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, São Paulo, SP, 1994).

Foi publicada pela Editora Paulus, São Paulo, 1996, com o título: Passos no diálogo.

Versão resumida, sem notas e bibliografia.

Para a versão completa ou reprodução, envie um e-mail para: ceas@zumbi.ongba.org.br